Mensagem do Presidente

Entrevista com Yves Meignié, Presidente e Director Geral da VINCI Energies

Para abordar a transformação que ocorre dentro e fora da VINCI Energies, adoptamos uma abordagem muito aberta e ágil à inovação, que é levada a cabo pelas nossas unidades de negócio e orientada para a melhoria continua da nossa própria eficiência e a dos nossos clientes.

Yves Meignié Presidente e Director Geral, VINCI Energies

Tendo em conta o ambiente económico difícil que se viveu, qual é a sua visão sobre a actividade da VINCI Energies em 2016?

Em 2016 fortaleceu-se o modelo praticado pela VINCI Energies. Após um crescimento substancial em 2015, a nossa receita manteve-se acima dos 10 mil milhões de euros, embora a taxa de crescimento das receitas abrandasse. O volume de negócios manteve-se e a rentabilidade operacional aumentou, confirmando a resiliência da VINCI Energies e a capacidade de enfrentar a difícil situação económica que afecta a Europa, o Brasil, a Austrália e alguns sectores, em particular, o Oil & Gas. Apesar disso, 2016 foi um ano de consolidação. Estamos totalmente integrados e forjámos sinergias com todas as empresas que se juntaram ao Grupo em 2014 e que contribuíram para o nosso crescimento em 2015, incluindo a OEngenharia, Electrix e Imtech ICT.

No ano passado vários projectos grandes, nos quais tivemos orgulho em estar envolvidos foram concluídos, demonstrando a nossa capacidade em assumir grandes projectos. Estes incluíam o projecto de linha ferroviária de alta velocidade SEA da VINCI e GSM-R, uma parceria público-privada em infraestrutura de telecomunicações ferroviárias.

De que forma a VINCI Energies continuou a sua expansão internacional?

Após a aquisição em 2015 da Electrix, a J&P Richardson, uma empresa australiana, juntou-se ao Grupo de forma a continuar a nossa implementação na Oceânia. Na Europa, continuamos a crescer e a expandir a nossa rede em duas actividades que são importantes para a VINCI Energies: Power & Grid com a Omexom e a Powell Engineering no reino Unido e o ICT com a Axians e a Televic AV na Bélgica.

O que está a impulsionar a rápida mudança nos mercados da VINCI Energies?

A transição energética e a transformação digital são condutoras em todas as nossas linhas de negócio. Elas sustentam os projectos que todos os anos realizamos à medida que os nossos mercados mudam para a noção “Smart”: tecnologias inteligentes, incluindo edifícios mais inteligentes, redes inteligentes, indústria inteligente, cidades inteligentes e Big data. Estas questões são o cerne da nossa experiência e das soluções e serviços que oferecemos auxiliam os nossos clientes a acompanharem a mudança. A aquisição da Smart Grid Energy, uma das principais empresas que operam no centro da transição energética é um exemplo disso. Conecta as nossas diversas linhas de negócio – consumidores de energia, assegurados pela Actemium e pela VINCI Facilities e operadores de rede, abrangidos pela rede da Omexom.

As marcas foram reforçadas nos últimos anos. Que sinergias construíram?

As nossas marcas estão a construir cada vez mais sinergias entre si, ajudando-nos a propor soluções e serviços conjuntos. Para apoiar este desenvolvimento criámos “La Factory” como um lugar único onde as nossas equipas se podem reunir para promover e acelerar o design das nossas ofertas futuras. Por exemplo a Axians está a desenvolver soluções e serviços digitais dando-nos vantagem em áreas tais como o uso da IOT em edifícios e instalações industriais, e a Axians e a Actemium trabalham em conjunto na renovação do sistema de abastecimento de água em Stuttgart, na Alemanha.

A inovação é uma parte integrante da oferta da VINCI Energies. Como é posta em prática?

A nossa politica de inovações está orientada para as transformações em curso, dentro e fora da VINCI Energies. Projectamo-la de forma a ser aberta aos actores e parceiros que compõem o nosso ecossistema. Na VINCI Energies a inovação é crucial. Para começar as nossas unidades de negócio estão cada vez mais a realizar testes a soluções e serviços que providenciam aos seus clientes.

As várias unidades da VINCI Energies estão cada vez mais a construir relacionamentos com players externos, tais como startups, universidades e parceiros de sectores públicos e privados de forma a expandir a inovação. Criámos a Inerbiz, um fundo de investimento financeiro e de gestão, dedicado à inovação e que já apoiou três startups. Tem como objectivo alargar a gama de soluções e serviços, de forma a dar a oportunidade a empresas inovadoras de realizarem experiências na nossa rede e darem-nos o beneficio das suas soluções. Somos parceiros do Thecamp, um campus de inovações digitais dedicado à cidade do futuro, que será inaugurada em AIX en Provence, no Outono de 2017. Trabalhamos também com a Cisco para executar um espaço de transformação urbana no evento Viva Technology 2016 em Paris, que reuniu startups e grandes empresas para trabalharem em projectos celebrativos.

As normas éticas, a segurança e o recrutamento constituem um foco crucial na VINCI Energies. Que papel desempenham na vida das unidades de negócio?

Estes objectivos são a chave para o nosso futuro. Eles são disseminados ás unidades de negócio e monitorizados e geridos através de uma ampla variedade de programas do Grupo. O nosso modelo é tão forte porque garante que todos seguem as regras. Continuamos a apoiar, formar e a capacitar os nossos empregados em relação a riscos potenciais em determinados mercados.

Na Higiene, segurança e Saúde no Trabalho iniciámos um forte programa a longo prazo para aumentar a consciencialização sobre os riscos no nosso evento mundial – Safety Week. Os nossos empregados e os seus gestores compartilham um compromisso totalmente transparente como a segurança e é uma parte indispensável da nossa meta de Acidentes Zero.

Continuamos a recrutar muito activamente e de facto em 2016 intensificámos o recrutamento. Reflectindo a nossa confiança no futuro, o número de pessoas que recrutámos no âmbito de contratos permanentes, trabalhadores-estudantes e de estagiários aumentou. É crucial investir na formação de jovens. Temos fortes parcerias com escolas técnicas e de engenharia como o ENSE3, onde estamos a activamente envolvidos na formação da turma de 2018.